Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

Discretos contrastes

No caminho para casa, encontrei uma varredora de rua.
Dei por mim a pensar.

Aquela senhora, empregada pela câmara municipal ou pela junta de freguesia, não sei, tem um contrato de trabalho sem termo, e um salário fixo consideravelmente superior ao meu.
Aquela senhora é beneficiária daquele sistema da ADSE e de uma série de outras regalias, exclusivas dos trabalhadores do Estado. Aqueles que trabalham das 9h às 5h. Os que tomam o pequeno-almoço das 9h30 às 10h00 e param para fumar um cigarro às 11h15. Os tais que almoçam das 12h00 às 13h30, e que vão lanchar por volta das 15h15. Os mesmos que, por volta das 16h30 param para fumar o último cigarro, e logo em seguida começam a arrumar as tralhas, porque às 17h há que correr até casa.

De onde eu venho, a coisa é ligeiramente diferente.
Entra-se às 09h, preferencialmente 10 minutos antes, para preparar o posto de trabalho. Às 9h10 convém fazer uma pausa, porque pouco depois, o telefone já não pára e já não há pausas para ninguém. Entre as 13h e as 14h é hora de refeição. Das 14h às 18h ainda há tempo para mais uma pausa, cronometrada ao segundo e dependente, sempre, das pausas dos outros colegas. Às 18h é hora de sair, preferencialmente 10 minutos depois, para terminar um último assunto e desligar tudo no posto de trabalho.
Não há regalias. Não há contrato sem termo. Não há segurança. E todos os meses, o salário fixo transforma-se em variável.

Pus-me a pensar.

Aquela senhora, varredora de rua, tem o nono ano. A 'escolaridade obrigatória'. Não estudou, talvez por falta de oportunidade ou de interesse, não é importante.
Tem os direitos dela, adquiridos de forma justificada, e eu em nada me oponho e nada tenho contra isso.

Eu estudei, tive oportunidade e um interesse ávido. Não é importante. Não tenho direitos, regalias, nem perspectivas de crescimento na empresa que integro, embora seja intelectualmente e academicamente superior à grande maioria. Eu e mais não sei quantas mil pessoas, que são subvalorizadas diariamente nas suas posições, nas suas empresas. E mais outras tantas, que enchem as ruas e os centros de emprego.

A verdade é que preferia ser funcionária pública. Ou estúpida... burrinha, vá! Ou pessoa que receasse represálias como se ainda fosse 1973...

Preferia ser menos burguesa, e mais contentada.

(Mentira!)

7 comentários

Comentar post

O Castelo

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D