Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

O tempo, as escolhas e os pensamentos

Cresceu a acreditar que não era comum. Que nunca seria comum. 

Cresceu com a crença de ser 'especial'. Foi isso, esse pensamento, que em muitos momentos, a ajudou a suportar os dias.

Uma miúda tão calada, tão séria, tão introvertida.

Combateu o sentimento de inferioridade com essa crença. Ser especial. Acreditar que estava destinada a grandes feitos.

A força desse pensamento, crucial nos dias menos felizes da infância e adolescência, foi-se desvanecendo aos poucos. Na verdade, à medida que se aproximou da 'idade adulta', deu por si a combatê-lo com cada fibra do seu ser.

Não queria ser especial. Não queria concretizar grandes feitos.

Queria rir como todos, viver como todos. Queria conhecer a gente. Integrar-se. Ser a menina/mulher igual a todas as outras. Tranquila.

Não queria distinguir-se da multidão que a rodeava.

Combateu a sua crença. Aquela que a ajudara a crescer, para se sentir nada mais do que mais uma, entre as massas.

Simplificou-se. Tornou-se comum.

Sucumbiu à pressão que o seu sentimento de inferioridade exercera sobre si própria. 

Deixou-se vencer e nem se apercebeu.

 

Um dia acordou, e viu-se vulgar. Descobriu-se igual a todos.

Objectivo cumprido.

Percebeu que fizera a escolha errada.

Escolhera, estupidamente, viver aquém do seu potencial.

 

Um facto interessante sobre 'potencial': É inato. Mas obriga a ser trabalhado para que possa desenvolver-se, e transformar alguém e o mundo.

 

Não sabe ainda identificar o momento exacto em que 'escolheu a escolha' errada. Mas reconhece que não foi uma decisão inteligente.

Acredita que nada acontece por acaso. Que a vida não corre em linha recta. Acredita que existem cruzamentos vários, e que uma escolha estúpida, não define o futuro. O futuro acontece todos os dias no instante em que os olhos se abrem, e a rotina é um conceito que existe para que possa ser contornado.

 

Acorda todos os dias para combater o pior de si. Acorda para superar o lado mais sombrio. Acorda para ultrapassar os medos e as hesitações que impedem a vida de acontecer.

Acorda todos os dias para sobreviver ao comum. E levanta-se porque acredita em si. Recuperou a sua crença.

 

O tempo não é definitivo e, enquanto existir, é infinito. Como as escolhas.

 

 

 

O Castelo

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D