Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

A propósito.

A minha casa foi assaltada e o meu computador levado por quem a violou. 

É uma sensação estranha a de saber que alguém penetrou no nosso espaço, na nossa intimidade. No nosso lugar seguro. Extraordinariamente estou a lidar,e lidei logo de início, bastante bem com a situação. Sim, eu. A pessoa mais descontrolada e espalhada aos bocados do mundo inteiro (sim, talvez esteja a hiperbolizar)! Evito pensar na perda do meu portátil, tão pouco valioso em moedas e notas mas tão detentor de toda a minha propriedade intelectual. Quanto ao receio a roçar o pânico que senti, naquela manhã assim que cheguei a casa, continua presente na minha mente e palpitante no meu peito sempre que me afasto e regresso ao porto de abrigo.

Mas eu não vinha escrever sobre isto.

Na verdade, não sei ao certo sobre o que vinha escrever.

Este mundo parece-me tão perdido, tão também ele espalhado em bocados, que me é difícil identificar e focar um determinado assunto ou acontecimento que não me parece também ele já esgotado à exaustão por comentadores, cronistas, jornalistas, bloggers, e conversas de café em geral. 

Somos um país de pensadores ou seremos um país de preguiçosos e conformistas? Cada vez mais, pensadores, parece-me a forma pomposa e intelectual que escolhemos para justificar a inércia que praticamos religiosamente todos os dias. 

Eu sinto que existe um encadeamento lógico que parece interrompido no tempo e no espaço. Se a permissa é penso, logo existo, por que raio não estão as pessoas a existir?

Existir - (de acordo com o amigo Priberam)

Ter existência. Viver. Subsistir. Ser. Destaco Ser.

Ser - (de acordo com o amigo Priberam)

Pertencer. Ter como proveniência. Preferir. Defender. Destaco defender.

Defender - (de acordo com o amigo Priberam)

Tomar a defesa. Oferecer protecção. Proporcionar abrigo. Desculpar. Patrocinar. Proibir. Interditar. Opor o esforço próprio ao ataque alheio. Repelir uma agressão, um ataque, uma acusação.

 

Agir?

Existência implica acção. E sem acção os pensamentos não são mais úteis do que conchas vazias. 

Perdemos demasiado tempo a mascarar a inércia de pensamento. A ocultar o desapego com falsos intelectualismos.

Enquanto assim for a sociedade não será mais do que loop infinito. Sem evolução, sem saber, sem prática, sem realmente existir.

 

O Castelo

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D