Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

...

Para mim é como se ela tivesse morrido e eu sobrevivo na sua morte.

Foi uma daquelas mortes repentinas que nos mata de surpresa e de morte.

Sim, ela morreu. E eu faço-lhe o luto todos os dias. Sobrevivo ao pedaço de mim que morreu, e à alma morta que lhe descobri.

Sim, ela morreu. Morreu-me tão repentina, tão estúpida, tão pequenina. Esperava-lhe mais. 

O luto é um monstro. Transforma, corrói. Faço-lhe o luto todos os dias. 

Perdoo-lhe a ignorância de me ter morrido, ainda que não lhe perdoe a sua morte. Esperava-lhe mais.

Ela morreu. E eu repito todos os dias e todos os dias me dói. Sim, ela morreu-me. 

A morte não tem cura. 

 

Perdoo-te a ignorância de me teres morrido. É essa a tua benção. Mas nunca perdoarei a tua morte.

Parabéns.

1 comentário

Comentar post

O Castelo

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D