Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

do alto do meu castelo

Se não puder escrever sobre o que penso, sobre o que sinto, sobre a vida, sobre este mundo retorcido, cortem-me as mãos e, por via das dúvidas, cosam-me a boca. De outra forma, não vou calar-me! Só os loucos podem mudar o Mundo.

Breakfast at Tiffany's

É muito fácil eu apaixonar-me. Há qualquer coisa na palavra 'clássico' que é quanto baste para me fazer querer mais, querer conhecer. 

"(...)se se apaixonar por um animal selvagem(...)Acaba a olhar para o céu." 

Foi assim que me apaixonei por Holly Golightly e pela simplicidade inocentemente sábia da sua pequena pessoa.

E eu não conheço o Truman Capote. Nunca o li e nem li sobre ele.

Perco-me na minha ignorância literária enquanto descubro novas formas de me apaixonar.

Simples. Tão verdadeiramente simples este Breakfast at Tiffany's. Tão puro, tão cru e tão simples. Sem finais felizes, ou melhor, sem final sequer. Um pouco como a vida. Inacabada. Não a vida, talvez. Como as pessoas que se cruzam na vida de cada um de nós, que participam com um pouco de si e a quem se dá um pouco de nós. Uma partilha que somos uns com os outros, um dos outros e uns pelos outros, e que deixamos de ser por este ou por aquele motivo. 

Ás vezes é porque nos procuramos. Ás vezes porque nos encantamos. Pessoas em pessoas, pessoas por pessoas, pessoas em lugares ou lugares em lugares. Sabendo que na verdade, nada nos pertence. Reconhecendo que somos companhia e nada mais. Não nos pertencemos.

No entanto, sempre em busca do nosso lugar. 

Meninos perdidos buscando incessantemente o nosso espaço nas curvas de fugas que fugimos.

Cada livro que lemos conta uma história de nós. Uma peça de vida que nos encaixamos.

Holly que queria pertencer. Fascinante Holly Golightly. Efémera, viva, fugaz. Miss Holiday Golightly, em viagem.

E o Gato, prova da sua existência. 

O Castelo

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D